CONAZ – Congresso Nacional de Alzheimer | Portal

Medicamento chinês que desacelera Alzheimer entrará em testes clínicos

teste Alzheimer
  Os artigos publicados pelo CONAZ têm o intuito de divulgar informações sobre os avanços de estudos relacionados ao Alzheimer pelo mundo. Este artigo apresenta pesquisas e testes preliminares que ainda não tiveram sua eficácia comprovada no tratamento/prevenção da doença. Para esclarecer qualquer dúvida ou obter mais informações, o leitor deverá procurar o órgão ou empresa responsável pelo estudo divulgado.

Medicamento criado para desacelerar o Alzheimer obteve grande sucesso em testes com animais.

Elaborado por cientistas chineses, o medicamento que promete desacelerar o Alzheimer conseguiu resultados positivos em seus testes com animais. Segundo os responsáveis pelo projeto, em breve o medicamento também entrará em fase de testes clínicos.

O resultado da aplicação do medicamento, desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Saúde e Biomedicina de Cantão da Academia Chinesa de Ciências, aponta grande efetividade na melhora da memória e das habilidades cognitivas de animais, como explicou o diretor da equipe responsável pelo projeto, Hu Wenhui, à agência estatal de notícias “Xinhua”.

Os primeiros testes, muito bem sucedidos, foram realizados em porcos da Guiné, mas já na segunda fase de desenvolvimento do composto, chamado AD16, os cientistas farão testes em humanos. Esse composto tem a função de desacelerar o avanço do Alzheimer, por funcionar como um agente antineuroinflamatório, que alivia os danos causados nos neurônios. É mais uma esperança de futuras descobertas contra o Alzheimer!

 

Coloque o seu e-mail abaixo para receber gratuitamente atualizações do blog!

24 ComentáriosDeixe um comentário

  • Que Deus ilumine e proteja cada cientista engajado na descoberta dessa medicação, pois eu costumo dizer que essa doença é a perda da dignidade do ser humano no momento em que ele mais tinha de usufruir da vida. Lutaram, contribuíram, fizeram a sua parte, todos merecemos envelhecer e morrer com dignidade. Parabéns e muito sucesso a toda equipe de cientistas empenhados nessa conquista, nessa guerra contra essa doença tão ingrata.

    • Verdade ! Confiando em DEUS , e nos Cientistas ,sem duvida esse avanço esperados por todos nos. Que de uma forma direta ou indiretamente temos familiares acometidos por Alzheimer, torcemos para que seja rápido e eficaz esse medicamento.

  • Tudo o que se relaciona com artigos sobre a Doença de Alzheimer, principalmente vindo do CONAZ, tem em mim uma recepção e aceitação pois tudo é muito esclarecedor. Obrigada por fazer parte desta gigantesca lista. Muito grata e meu afetuoso abraço.

  • A geriatra receitou “galantamina” e “prestiq” notei uma boa aterrizada tanto na memória, como na agressividade . Acompanho o trabalho da Conaz desde o primeiro seminário on-line. Muito obrigada pelo carinho, pq como cuidadora da mãe, em algumas situações tenho vontade de sumir. Bj no se coração.

  • Pena que para minha mãezinha, não deu tempo.Ela faleceu em agosto de 2013.Fico feliz com essa novidade, pois poderá trazer melhoria para muitas pessoas com Alzheimer e esperança para muitas famílias.Espero que tudo dê certo.

  • Que bom, tenho a minha mãe há mais de 6 anos com Alzheimer, ao ponto de já não nos conhecer e tenho um certo receio de ficar igual, começa a haver uma esperança para futuros casos.

  • Que Deus ilumine a mente desses cientistas ofereça a eles mais sabedoria para dar tudo certo nessa experiência, essa doença é muito triste sofre não só o paciente mais ainda os familiares. DEUS os abençoe.

  • Que Deus tenha misericórdia com todas as pessoas envolvidas com essa doença. Que os cientistas consigam logo essa cura, pq só quem tem esse problema é q pode avaliar a dificuldade e sofrimento. Serei otimista!

  • Acompanho o CONAZ semanalmente e fico muito feliz e empolgada c as matérias publicadas. Minha mãe está com Alzheimer a 3 anos e eu como filha e cuidadora é muito triste. É como se levasse uma facada a cada momento e tem dias q gostaria de sumir do mapa.
    Parabéns a todos os cientistas e q essas pesquisas progridam e desacelere essa doença tão ingrata e dolorida para todos os envolvidos.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *