CONAZ – Congresso Nacional de Alzheimer | Portal

Artista com Alzheimer desenha autorretratos durante 5 anos para registrar o progresso da doença

William UtermohlenSelf-Portrait with Saw 1997Oil on canvas, 35.5x45.5cm

Em 1995, o artista britânico William Utermohlen foi diagnosticado com a doença de Alzheimer. É um diagnóstico difícil para qualquer um, mas antes de sua morte, em 2007, Utermohlen criou uma série de autorretratos incrivelmente emocionantes. Os quadros documentam com grande beleza um período de aproximadamente 5 anos de decadência gradativa de sua mente, causado pelo Alzheimer.

Um artigo escrito pela viúva do artista, Patrícia, explica perfeitamente porque essas imagens são tão poderosas; “Nestas fotos vemos com o coração partido os esforços de William para explicar sua percepção alterada, seus medos e sua tristeza.” É difícil dizer se as mudanças em seus retratos surgiram devido à perda de suas habilidades artísticas ou devido as alterações na sua psique, mas, em ambos os casos, eles documentam o tumulto emocional de um artista assistindo sua mente se esvair pouco a pouco.

O artista precisou adaptar seus traços e estilo de pintura ao longo dos anos para conseguir executar as obras no mesmo nível de sua capacidade, mostrando sua luta contra a demência. Esta série de imagens serve para nos mostrar um pouco do que se passa dentro da mente de um paciente com Alzheimer, conscientizando-nos sobre a sensibilidade necessária para lidar com essa doença. Você pode conhecer mais sobre as obras do artista através do site oficial, clicando aqui!

 

Veja abaixo os quadros feitos pelo artista:

Self-Portrait (with Easel), 1998, óleo sobre tela, 35.5x25cm dimentiaslide5

Erased Self-Portrait, óleo sobre tela, 45.5×35.5cm

dimentiaslide6

Head I, 2000, lápis no papel, 40.5×33 cm.

dimentiaslide7

Coloque o seu e-mail abaixo para receber gratuitamente atualizações do blog!

21 ComentáriosDeixe um comentário

  • Muito emocionante! Entender o que se passa no psicológico do portador da doença é sempre complicado, vemos mais obras escritas por médicos ou cuidadores. O livro “Vivendo no labirinto: o Mal de Alzheimer na Visão do Paciente” é muito bom. Foi escrito por uma advogada diagnosticada com a doença, que descreveu no livro suas gradativas perdas de memória e capacidade de localização.

  • Sempre fico melancólica qdo leio qualquer assunto, vejo fotos que mencione ALZHEIMER pois lembro do tempo que ele estava presente em minha vida. Cuidei do meu pai durante três anos com essa doença sem contar com os anos anteriores que que ele já a´presentava alguns indícios da doença. Foi tudo muito intenso, as vezes até muito cansativo mas tudo fez com que eu me aproximasse ainda mais dele pois invertemos os papéis. Passei a ser mãe de um idoso e qd ele estava irritado só a mim ele atendia com muito carinho. Hoje sinto muita falta, as vezes até choro. Apesar do grande sofrimento que foi de ambas as partes, foi muito gartificante para mim. As pessoas que cuidam de um paciente de Alzheimer precisam de muita dedicação, paciência e de um grande amor.

  • Minha Mamae esta com alzheimer a mais ou menos 4 anos, comeca a atrofiar os movimentos, raramente interage nas conversas, nao nos reconhece, esta sempre achando que alguem vai fazer algum mal a ela e constantemente quer ir embora achando que esta fora de casa, longe da casa da mae dela. Isso e constante alem de perambular pela casa o dia todo e as vezes a noite tambem, anda com dificuldade mas anda muito. Estamos revesando eu e meus irmaos a noite e durante o dia tem um acuidadora. Mas mesmo pelo fato de so dormir estamos muito cansados, pois na noite que ficamos com ela cada noite e uma noite diferente, nao temos rotina tudo diferente de um dia pro outro. Estamos cansados mas temos plena conciencia de que ela precisa de todo o carinho e atencao. As vezes ficamos meio que perdidos no sentido de como agir quando ela nao aceita ajuda, quando ela nos estranha no meio da noite e quer nos agredir e como lhe dar resposta que a tranquilize Vamos levando cada dia diferente um do outro, cada dia uma nova novidade ou surpresa. So desabafando !!! Senti vontade de contar, mas creio que dividir as dificuldades e bom… Estou gostando de ver que nao estamos sozinhos… Abracos e obrigada

    • Minha mae tambem tem alzahemer ela ja esta bem avançado.
      Meus pais ja fazia 6 anosvmorwba com minha irma ja 1mes meu pai faleceu e agora minha irma quer colocar minha mae numa casa de repouso estou sofrendo muito porque queria ficar com ela moro num apartamento de 3 quarto no segundo andar mais e de escada não sei o.que fazer tenho medo de trazer ela e se precisar a noite de alguma coisa como descer com ela as escadas.
      Estou sofrendo tanto em ter que deixar levar ela para uma casa de repouso

  • A expressão do rosto e como ele se sentia, a primeira assustado, a outra o olhar vazio a seguinte não identifica nada a ultima o rosto partido como o celebro.

  • Fiquei impressionada e com uma pequena ideia do que se passa na cabeça do meu marido em que a doença começou com “afasia logopénica” e agora já não compreende praticamente nada do que lhe dizemos e não consegue exprimir o que sente

  • Eu estive sempre cuidando de pessoas com Alzheimer.Sem conhecimentos,a princípio até porque o comecei a fazer por uma necessidade.Tinha chegado de África,e como não arranjava emprego na minha área fui para um lar trabalhar.Ai comecei a dar os primeiros passos como cuidadora.Depois,como demonstrei ser cuidadosa e amorosa com todos eles,alguém me tirou para olhar pela sua mãe em casa particular.Acompanhei doentes com Alzheimer até à cinco anos atrás,e so posso dizer se voltasse atras voltaria a dar-lhes o mesmo carinho e amor que sempre lhes dispensei,pois são gente que sofrem muito em fase terminal

  • Aprendo sempre com este trabalho que vocês fazem. A obra deste artista, por exemplo, me emociona e me deixa mais preocupada ainda com o percentual de pessoas acometidas com o mal de Alzheimer.

  • É terrível saber como essa doença vai destruindo o ser humano e sua capacidade intelectual.Através dos quadros pintados por este artista ,fica bem evidente o tamanho do mal causado pela doença,Mas precisamos dessas informações para encontrar a cura ou
    prolongar o sofrimento da pessoa e de seus familiares.

  • Me emocionou como esta doença causa transtorna na vida da pessoa através destes quadros, mas o importante é que fiquemos alerta e comesse a fazer o melhor para ter uma vida saudável e ajudar as pessoas que estão com estes problemas.Obrigada! Ainda não me escrevi para a segunda etapa como fazer?

  • Hoje tive a oportunidade de ver o filme Para sempre Alice, e fiz um paralelo com o que vem acontecendo com minha mãe que foi diagnosticada a cinco anos, agora depois de ver estas obras fico impressionada como esta doença é cruel e devastadora para o paciente e para os familiares. Só o amor a dedicação e o esforço múltiplo pode amenizar os efeitos deste mal.

  • Está doença é terrível pois deixa a pessoa vegetando não conhece ninguém,não fala passa a maior parte do tempo com os olhos fechados, se der alimento come é muito triste ver uma pessoa que trabalhou a vida inteira e hoje se encontra nesta situação minha Mãe.

  • minha mãe está com esta horrivel doença, eu já não aguento mais ver tanto sofrimento, as vezes procuro uma razão e não acho explicação, só quem convive é quem sabe.

  • Fico muito feliz em saber que se estar avançando, nesse campo tão incógnito, que é a doença de Alzhaimer. Que Deus ilumine cada pesquisador o guiando até a descoberta da cura e da prevenção da mesma!

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *