CONAZ – Congresso Nacional de Alzheimer | Portal

Diminua o risco de Alzheimer com cinco hábitos para a saúde mental

boa convicência

Exercitar-se regularmente é uma das maiores mudanças no estilo de vida que uma pessoa pode ter. Conforme estudos, esse novo hábito pode reduzir o risco de demência em até um terço.

Uma análise por idade no Reino Unido sugere que hábitos nocivos são responsáveis por 76% das mudanças negativas no cérebro. Além disso, o estudo comprovou que é possível prevenir doenças simplesmente adotando novos bons hábitos e eliminando os prejudiciais. Conheça as atividades que vão mudar sua vida pra melhor!

1 – Faça exercício regularmente. A conexão entre a falta de atividade física e problemas cardiovasculares, como pressão alta, diabetes, colesterol alto e obesidade, são comprovadas. Estas doenças apresentaram um alto risco para o declínio cognitivo e demência. Portanto, pratique exercícios regularmente!

2 – Pratique uma dieta Mediterrânea. Se você busca uma dieta que beneficia a saúde cognitiva e diminui o risco de doenças mentais, o segredo é manter uma alimentação rica em vegetais, legumes, frutas, nozes, cereais e peixe – e baixa em carne, aves e derivados do leite. Uma alimentação repleta de açúcar, colesterol e gorduras trans foi apontada como a causa de pouca saúde cognitiva entre as pessoas idosas.

3 – Pare de fumar. Quem fuma tem grandes chances de desenvolver Alzheimer. O número de casos de fumantes com Alzheimer relatados por ano supera os de não fumantes.

4 – Beba álcool com moderação. O álcool tem efeitos bons e ruins no cérebro, dependendo do quanto você bebe. O consumo em excesso, à beira do alcoolismo, é uma causa muito comum da demência, pois danifica a massa cerebral particularmente em áreas do cérebro relacionadas à memória.

5 – Previna ou trate a diabetes, pressão alta e obesidade. Esses problemas apresentam fatores de risco estabelecidos para doenças cardiovasculares, como enfarto e AVC. Além disso, complicações como essas podem causar demência ao aumentar o risco de endurecimento das artérias.

Estudos acadêmicos da Universidade de Edimburgo, na Escócia, descobriram que mais de três quartos das mudanças de capacidade cerebral, surgidas com o avanço da idade, tem origem nos hábitos nocivos que as pessoas tiveram ao longo da vida.

Outro grande estudo no Reino Unido, que durou mais de 30 anos, descobriu que homens entre 45 e 59 anos que seguiam quatro das cinco dicas citadas acima, tinham menos 36% de chances de desenvolver algum declínio cognitivo, ao contrário das pessoas que possuem hábitos nocivos à saúde.

Este estudo também revelou que exercícios físicos, sejam aeróbicos ou de resistência, se provaram mais eficazes em afastar o declínio cognitivo em idosos saudáveis, além de reduzir o risco de desenvolver o Alzheimer. O estudo também aponta que exercitar-se de entre três a cinco vezes por semana, no intervalo de 30 minutos a 1 hora, é extremamente benéfico.

Resumindo: Ter uma dieta saudável e balanceada, consumir  álcool moderadamente, praticar  exercícios físicos e deixar o cigarro de lado são medidas essenciais para a saúde do seu cérebro!

Coloque o seu e-mail abaixo para receber gratuitamente atualizações do blog!

22 ComentáriosDeixe um comentário

  • Todos os assuntos são muito interessantes e esclarecedores.
    Quero continuar a receber essas informações.Agradeço a atenção.

  • Parabéns ao idealizador e a todos os colaboradores, que humanitária e profissionalmente, compartilharam valiosos e valorosos saberes e informações.

    Por, disponibilizarem esclarecimento facilitadores à melhoria da compreensão e convivência com o Alzeimer.

    Desejo que o segundo CONAZ, seja Excelente, clarificando dúvidas, acolhendo o(a) paciente com Alzeimer, aconchegando os familiares e prestadores de serviço, bem como, conscientizando a sociedade.

    Saudações,

    Terezinha Alecrim
    Psicóloga

  • Gostei muito, sou terapeuta naturopata, e gosto de ficar apar de tudo e bom estar sempre se reciclando, todas as informações são sempre bem vindas.
    Obrigada.

  • Estou super confiante e ansiosa para este próximo congresso, ando divulgado ao grupo o qual faço parte levamdo minha mãe que tem DA. Lá o trabalho da doutoranda é sobre a melhora ou seja o retardo com de atividades físicas ao paciente. Cuidadores também realizam atividades. LABAMA, este é o projeto” Laboratório de Atividade e Motrícidade Adaptada”.
    Amei o conteúdo, tudo é se suma importância á nós familiares.
    Obrigada!

  • Acho bom e cuidados iguais ajudam a diminuírem risco de demência. Bacana, é realmente eficaz exercitar-se, tem efeitos tais como ingerir alimentos
    banhar-se, dormir, ir ao banheiro, essas atividades quando lhes tiram, torna-se transtorno para as funções normais e deixam difíceis.
    Como coisas tão simples. Parabéns o CONAZ me é importante ser aluna deste orgão tao competente .

  • Minha mãe está com Alzheimer, há dois anos, e há um ano numa clínica de repouso, não tivemos outra opção, minha tia também está lá, dormem no mesmo quarto, ela está no primeiro estágio, conhece a família, a mim principalmente, que sou única filha mulher e tenho três irmãos, eu sofro muito com a situação, porém eu também trabalho, não confio em deixá-la com um único cuidador, pois ela morava sozinha,e ela pede para deixá-la em sua casa. É difícil, só quem passa sabe. Mas obrigada pelas dicas.

  • muito interessante as dicas de prevenção melhor ainda foi eu ter ciência de que venho tendo vários desses cuidados. Preciso melhorar a alimentação de resto estou dentro do padrão. Muito boas as dicas do CONAZ. Parabéns!

  • Parabéns pelas matérias. Estou conhecendo este site agora e gostaria de receber vossos artigos, pois familiares com esta demência.

  • O meu sonho quando me aposentar é fazer um trabalho filantrópico com idosos, em especial poder ajudar pessoas com Alzheimer, e tenho que dizer que a CONAZ, é um importante elo no assunto, parabéns.

  • Gostei muito do texto, foi muito esclarecedor para mim, sou filha de pais com essa doença e me sinto preocupada que com mais idade eu possa desenvolver essa doença, por isso a minha preocupação em não desenvolver esta doença. Obrigada!!!

  • Estou muito satisfeita em receber os artigos. As orientações estão sendo pouco a pouco fazendo parte da minha vida e de meu esposo, que é portador da doença de Parkinson.

  • Muito obrigado por todas essas informações! Tenho convivido com minha mãe com a doença de Alzheimer, não sendo nada fácil para lidar. Estou com muito medo de ficar na mesma situação. Por isso, tento levar uma vida diferente da que ela levou. Assisti a primeira edição do CONAZ e espero que venha logo outra edição. Um grande abraço Ana Lúcia

  • Gostaria de estar sempre recebendo informações à respeito dessa doença, pois estamos passando dificuldades com minha mãe . A família está sofrendo bastante, ela confunde tudo, acha que as filhas são suas irmãs, seu filho é seu marido , troca tudo, enfim já não sabe mais nem onde está.

  • Gostei muito das informações a minha sogra tem 60 anos e faz um ano que foi diagnósticada com essa enfermidade e esta sendo muito dificil porque sou eu que fico com ela 24 hrs por dia e ela ainda não teve reação aos remédio e esta dando muito trabalho mas espero que em breve os medicos acertem os remedios gostaria de sempre receber informações sobre esse assunto desde ja agradeço .

  • Essas dicas de alimentação e vida saudável são muito úteis certamente, mas acredito não serem as únicas para diminuir o risco de Alzheimer.
    Vejam, minha mãe está diagnostica como portadora da doença há quase 11 anos, na ocasião ela tinha 73 anos.
    Mamãe desde os 40 anos de idade – e até hoje – não come carne carne vermelha e embutidos, só peixe e peito de frango, se alimentava basicamente de verduras legumes, frutas, soja , farinha de linhaça, mel, chás de ervas, pão integral, arroz integral (sim, desde os anos 70 ela já fazia isso!!! seguia a linha “naturalista”), nunca bebeu ou fumou, não usa açúcar branco ou qualquer outro tipo ou adoçantes desde os 35 anos de idade, foi praticante de yoga, jogadora de volei quando jovem, andava a pé e de onibus para todo lado, criou 3 filhas e 3 netos sempre trabalhando, fez – e se formou – em 4 cursos superiores, inclusive direito junto comigo(aos 52 anos!!), trabalhou como professora e diretora de escola até os 70 anos de idade…enfim, tudo o que se recomenda ela sempre fez!
    É a mais pura verdade…sempre foi uma pessoa feliz, ativa e realizada… até que repentinamente meu pai faleceu em 2000…ela perdeu o marido, o namorado, o amigo que estava ao seu lado desde os 6 anos de idade …a tristeza e a saudade a consumiu, veio a depressão e em 5 anos ela estava diagnostica com Alzheimer pelo Dr. Norton Sayeg. Confesso que perdemos o chão…mas aos poucos fomos encontrando o caminho.
    Hoje ela está com 84 anos, ainda se expressa, come de tudo, segura muito bem uma fruta, um pãozinho – e ai de quem tentar tirar da mão dela – e uma certa e determinada caneca onde todos os dias toma o cafe da manhã e o cha da tarde.
    Sim, ela faz 4 refeições por dia, mastiga tudo – tem todos os dentes na boca -, não tem nenhuma outra doença, não toma outros remédios salvo o Ebix e Seroquel (4 compridos ao dia só isso!!!), não tem problemas de pressão ou diabetes, gripe há anos não tem….claro que as vez tem infecção urinaria por conta do uso de fraldas, ou outro probleminha típico da fragilidade da idade, mas rapidamente se recupera, sem internações.
    A memória?…bom é fato que está fraca, assim como a dicção e seus passos…ela hj usa cadeira de rodas, porque caiu e fraturou a cabeça do femur há 4 anos, com direito a pinos e placas…nada de protese!!! Seus ossos são otimos!!!. Faz fisioterapia em casa todos os dias…e é o melhor momento do dia: ela fala, brinca, briga com as meninas, dá bj e manda pra casa, é uma festa.
    Mamãe ainda me reconhece e me chama pelo nome direitinho – e não é um nome facil, mas que ela mesma inventou – , reconhece a neta, as outras filhas e algumas pessoas da casa, como a cuidadora e a minha auxiliar que está conosco há 11 anos .
    E claro que há dias em que ela não quer nada…acorda quieta, sonolenta, come menos que o normal, não briga ou brinca com ninguém, manda todo mundo pra casa, chora sem lágrimas…mas quem não??
    A alimentação saudável e a boa qualidade de vida é o que a mantém assim até hoje, pois já são 11 anos convivendo com essa doença e ela se mantêm inteira e forte. Mas a felicidade, a alegria de viver é muito, muito importante também!! Se o papai ainda estivesse aqui tenho certeza que tudo seria muito diferente.
    Enquanto mamãe ainda tinha um pouco de consciência, ela ficava muito triste e brava consigo mesma, pedia pra morrer…pra ir com meu pai, chorava de verdade, fugia de casa…foram tempos difíceis e muito triste, mas hoje ela vive mais no mundo ela, pergunta pelo papai e quando falamos que ele foi trabalhar, ela balança a cabeça e diz “…mas ele volta né, filha?” ou então simplesmente concorda “..ah bom!”.
    Ela ainda sabe o valor do dinheiro e que ele vem do trabalho: tudo ela manda pagar, seja a cuidadora, a fisioterapeuta, o podólogo, o cabeleireiro, o cafezinho quando saímos, tudo ela sabe que custa e tem seu valor, e mais ainda, sabe que tem dinheiro pra isso, pois trabalhou até os 70 anos. De uma forma ou de outra, isso ela não esqueceu!

    Alimentação + qualidade de vida + felicidade + vontade de viver + amor = acho que é a combinação exata !

    Tento seguir o exemplo dela…mas, não é facil…como a minha mãe, não existe igual!!!

    Desculpem-me se me estendi demais…

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *